sexta-feira, 13 de julho de 2012

Nova Série no Blog: Minha Rotina


Pois então pessoas, como prometido, a partir de hoje começa uma nova série no blog.
"Minha Rotina" é uma série que conta com Marc, um jovem comum e suas desventuras vividas por culpa de seu amigo Roger.

Qual a diferença disso pra minhas crônicas comuns?
Simples, a vida útil dela depende de você! Como assim? A partir de comentários dizendo se deve ou não continuar, e talvez até aceite sugestões se forem realmente interessantes, então, comentem muito -q

Tá esperando o que, clica aí pra ler mais e seja feliz =)


Minha Rotina
Por: Kelvinouteiro

13/07/2012

Olá, sou Marc.
Eu sei que é meio estranho começar este texto assim tão secamente, mas é o que eu sou então... Que se dane.
Tenho 25 anos, tenho estatura mediana, digo que sou normal para não dizer se sou feio ou bonito e me nego a dizer mais do que isso. Estou fazendo este diário por obrigação então não espere por formalidades.
Moro num apartamento que apesar de pequeno, é do tamanho que eu quero. Tudo o que eu preciso está aqui. Minha TV e meus vídeos games, meu computador com internet ilimitada, minha cama e tudo o mais um solteirão comum que nem eu precisaria.
Então, se sou tão comum assim, porque me acharia tão interessante a ponto de fazer um diário?  Por nenhum motivo. Minha rotina tem sido tão chata e repetitiva que nem meus amigos (os poucos que ainda me restam) agüentam. Mas já que estou aqui, vou lhes dizer como isso tudo começou.
Um dia desses estava em casa quando Roger, meu amigo de infância bate na minha porta e pede para entrar. Eu instintivamente abri a porta para chutá-lo para fora assim como sempre fiz todas as manhãs.
Roger havia perdido a namorada há pouco tempo, então ele estava na fase de beber todas e visitar os amigos de madrugada só para lhes encher o saco. Apesar de tudo, ele é um cara legal, bastante criativo.  No fim das contas ele entrou antes que eu pudesse perceber, e quando eu o vi já estava de pé entre mim e a televisão.
Ele e a sua inspiração criativa se diziam ter a chave para acabar com a minha rotina, uma formula mágica que resolveria com todos os meus problemas. Um diário mágico. Ri descontroladamente até quase tossir meus pulmões fora. Roger continuou sério. Parei de rir.
Sua determinação era um de seus pontos fracos, eu conhecia esse homem há mais de vinte anos e sabia que em poucos momentos ele havia ficado sério daquele jeito, e geralmente não eram por coisas boas. Bom, ao menos dessa vez eu não sofria risco de vida.
Com medo de magoar a sua “determinação de salvador voluntário de vagabundos como eu”, seja lá como for que ele chame isso, eu obviamente aceitei. Você deve ter percebido isso, desde que estou escrevendo em você.
Enfim, independente de ter aceitado ou não, não pretendo escrever muito aqui, então, até sei lá quando.
Nos siga em outras redes sociais!